IPAC faz serviços de conservação botânica em museus de Salvador Ampliar

Criado em 04 Novembro 2015 Escrito por IPAC Categoria: Nudephac
Acessos: 955
Imprimir


O Museu de Arte da Bahia (MAB), localizado no Corredor da Vitória, o Museu de Arte Moderna (MAM), na Avenida Contorno, e o Centro Cultural Solar do Ferrão, no Pelourinho, estão sendo contemplados com 45 dias de serviços de roçagem, poda de árvores de médio e grande porte, para limpeza e conservação botânica desses espaços. A ação é do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (IPAC), que administra esses espaços públicos, além de outros no Pelourinho e no interior do estado, como o Museu do Recolhimento dos Humildes (Santo Amaro), Parque Histórico Castro Alves (Cabaceiras do Paraguaçu) e Museu do Recôncavo Wanderley Pinho (Candeias).


“A ação é para conservar as plantas e árvores e manter a integridade física dos usuários desses espaços, já que alguns ameaçavam cair”, diz o arquiteto paisagista do IPAC, Paulo Kalil, da subgerência de Projetos do órgão, que é vinculado à secretaria de Cultura do Estado (SecultBA). Os serviços ajudam na preservação das áreas verdes das unidades mantidas pelo Instituto. Desde junho deste ano (2015), equipes do IPAC também estavam recuperando os jardins do Passeio Público, entregue para a população, pelo governador Rui Costa, em 27 de setembro.

Os serviços do IPAC não devem ser confundidos com podas em logradouros públicos, como ruas e avenidas da capital baiana, que são executados pela Prefeitura de Salvador. O IPAC só atua em imóveis e áreas que estão sob a responsabilidade da instituição, como os museus estaduais.

GRANDE PORTE – “No Passeio Público, plantamos novas gramíneas, plantas rasteiras, trepadeiras, flores, arbustos e palmeiras”, relata Paulo Kalil. Segundo o especialista, outras espécies de árvores de grande porte, como angelim, sumaúma, amendoeira, pau-ferro, cariota e a palmeira-solitária, compõem o acervo botânico do Passeio Público. “Temos também as mangueiras e sumaúmas estão em maior número”, relata o especialista. No espaço, o IPAC está desenvolvendo um programa de Educação Patrimonial e implantará um projeto de sinalização histórico-botânica.

No MAM, estão sendo realizados serviços de limpeza e poda de árvores. No MAB, a capinação e erradicação de herbáceas. Já no Centro Cultural Solar do Ferrão, a poda de um coqueiro e uma mangueira. Já no Palacete das Artes são podas de galhos que estavam ameaçando a segurança de frequentadores do local. O Palacete ocupa a antiga mansão Martins Catharino, de estilo arquitetônico eclético tombado pelo Estado da Bahia, via IPAC. Os serviços nos museus do IPAC começaram na última sexta-feira (30) e só terminam no início de dezembro.

FOTOS anexas.

Autoria: Lázaro Menezes e Elias Mascarenhas

Ambiente exclusivo e de acesso restrito a intranet do Ministério Público.

Neste ambiente acesse o Webmail do MP e tenha acesso a nossa ferramenta de comunicação.

Conheça o site do Ministério Público do Estado da Bahia.

Neste ambiente divulgamos a nossa Agenda de Atividades.